Como a inovação aberta pode reduzir os custos da inovação


Existem poucas organizações que não desejam inovar, mas embora a maioria aspire a desenvolver novos produtos, serviços e processos criativos, a evidência é mista quanto à sua capacidade de fazer isso com sucesso. Um grande contribuinte para essa lacuna é o custo da inovação.

Um estudo recente do Stanford Institute ressaltou os custos crescentes envolvendo inovação. A pesquisa mostra que as companhias estão investindo muito mais que as gestões anteriores para alcançar os mesmos resultados. As organizações hoje em dia estão dedicando aproximadamente 20 vezes mais pessoas a P&D do que dedicaram em 1930, mas o resultado de todo esse esforço não está prosperando em harmonia.

"Está ficando cada vez mais difícil criar novas ideias, e a economia é mais ou menos compensadora para isso," explicam os autores. "O único modo pelo qual conseguimos manter grosseiramente o crescimento foi colocar mais e mais cientistas nisso."

Esse tremendo investimento tem visto despesas em P&D dobrando a cada 13 anos ao invés de manter o mesmo nível de resultado. Além disso, esse não é o caso de retardatários específicos diminuindo esse número, pois a produtividade decrescente é consistente em todos os setores. Quando se trata de gastos de inovação, o desafio para grandes companhias parece ser sobre gastar de forma inteligente. Para poder crescer e inovar em ritmo aumentado, companhias precisam reverter esse dilema gastando menos e inovando mais.


É provavelmente por conta disso que a inovação está se tornando mais difícil de alcançar. Pesquisas anteriores ressaltaram como uma proporção crescente de inovações é conhecida como recombinativa. Isso significa que inovação requer ideias existentes e tecnologias, e a aplicação delas de maneiras únicas. Por quase 150 anos, cerca de 40% de todas as patentes caíram abaixo dessa categoria de inovação, com a proporção mudando consideravelmente, à medida que nos aproximamos dos dias atuais.

O potencial para tal inovação fazer profundo impacto é ressaltado por Martin Weitxman, que descreve o potencial para recombinação em seu artigo semanal. Ele descreve os "fatores fixos", incluindo edifícios e hardware, que existem em toda a sociedade e o valor que podemos obter quando encontramos formas de melhorar esses ativos.

Inovação aberta - colaborar com companhias externas em direção a objetivos de inovação - oferece tremendo potencial para apoiar esse tipo de inovação enquanto ajuda a domar os custos associados. Ao invés de inventar a roda do início e dentro de casa cada vez que a empresa quiser melhorar um produto, serviço ou processo, organizações se unem a uma grande variedade de parceiros como startups e vendedores independentes de softwares para acessar suas ideias, insights e soluções.

Assim como fornecer uma ampla variedade de ideias, perspectivas e insights para explorar, também existem claras vantagens comerciais. Ao recorrer a abordagens de inovação aberta como rodar provas de conceito com startups e vendedores de tecnologia, você alcança um grande número de potenciais parceiros de forma relativamente fácil. Além disso, você geralmente só paga aos participantes se uma solução é encontrada, oferecendo a você não só uma fonte de inovação praticamente livre de riscos, mas também uma que reduziu drasticamente os custos ao não fazer com que você financiasse as falhas que são parte inerente à inovação.

Acelerando o prazo de comercialização

Plataformas de ciência de dados como Kaggle e Innocentive oferecem uma ótima maneira de atrair soluções independentes, mas ainda existem obstáculos consideráveis em integrar essas soluções em sistemas complexos ou escalar ideias para o mercado de massa.

Obstáculos à inovação, como personalizar ambientes de teste, testar soluções externas de tecnologia, lidar com restrições de segurança e obedecer a regulamentações custam tempo para a organização, e tempo custa dinheiro.

No recente evento European Institute of Innovation & Technology (EIT) INNOVEIT, o chairman da EIT, Dirk Jan van den Berg ressaltou os prazos inacreditavelmente longos para as inovações chegarem ao mercado, citando uma média de sete anos em energia e dez em saúde. Até em indústrias relativamente ágeis, como a digital, o time to market ainda é tipicamente medido em anos ao invés de meses.

É um período de gestação que pode ver o risco de fracasso aumentar significativamente, e que a inovação aberta pode ajudar a superar.

Empresas como a prooV estão na vanguarda dos esforços para fazer com que a inovação aberta seja mais acessível, eficiente e efetiva para as companhias. Sua plataforma centraliza e simplifica todo o processo de prova de conceito para fazer testes e avaliar novas tecnologias de forma mais rápida, customizável e orientada a dados.

Na plataforma prooV, empresas podem testar, avaliar e comparar várias soluções de tecnologia na mesma prova de conceito, ao invés de tocar diferentes provas para cada tecnologia e comparar os resultados depois. Isso corta toneladas de logística, tempo e esforço, cortando assim custos de inovação.

"Provas de conceito devem impulsionar a inovação, e não retê-la," disse Toby Olshanetsky, co-fundador e CEO da prooV. "Antes de adotar qualquer tecnologia, grandes companhias com infraestruturas complexas e vastas bases de clientes precisam testar e avaliar múltiplas soluções. Administrar todo o processo em uma plataforma e poder testar e avaliar mais de um vendedor por vez reduz o tempo e dinheiro que a empresa precisa investir em PoCs enquanto fornece valor aprimorado."

Além de cortar os custos da inovação, essas PoCs também podem ajudar a gerar o tipo de dados que ajudam a garantir a participação de toda a organização. A política de inovação é algo que Vijay Govindarajan, da Tuck Business School, abordou inúmeras vezes, inclusive em seu livro The Other Side of Innovation. A realidade de escalonar qualquer inovação é que ela exigirá adesão de um grupo muito maior de pessoas do que as envolvidas no teste e no desenvolvimento da inovação. "Perseguir novos horizontes é a parte interessante da inovação, mas também é a parte arriscada"

disse Olshanetsky. “Fornecer dados sobre como as soluções se sustentam nas métricas comerciais e técnicas que são importantes para a sua empresa mostra os benefícios da inovação aberta e aumenta a chance de obter apoio dos tomadores de decisão.” A inovação nunca estará isenta de riscos e nunca devemos considerar a inovação aberta uma panacéia para os vários desafios associados à inovação, mas, quando feita de forma eficaz, ela pode ajudar a mitigar muitos desses riscos e dar a você uma chance melhor de garantir os resultados que a sua organização precisa. A inovação aberta com prova de conceitos pode resolver os principais desafios de inovação, garantindo a adesão interna, acelerando o tempo de colocação no mercado e diminuindo os custos ao longo de todo o processo.

[Traduzido e adaptado de Forbes]


61 visualizações