Alphabet Inc. está planejando construir uma Cidade Beta


Desde seu início, o Sidewalk Labs - laboratório de inovação urbana da Alphabet, rede de empresas dona da Google - tem falado sobre construir uma cidade inteligente para testar ideias.

Recentemente o CEO da Alphabet, Eric Schmidt e o CEO da Sidewalk Labs, Dan Doctoroff, se uniram ao Primeiro Ministro Canadense Justin Trudeau para realizar esse projeto, anunciando um plano para desenvolver Sidewalk Toronto: uma cidade de 12 acres à beira-mar de Toronto. "A verdade é que você pode produzir todos esses documentos, mas você precisa de uma cidade de verdade," disse Schmidt. "Você realmente precisa de um espaço."

Sidewalk gastará $50 milhões nos estágios iniciais de desenvolvimento dessa área, chamada de Quayside, e planeja mover a sede canadense da Google para alavancar o crescimento. Quayside será "um novo tipo de lugar... onde novas soluções podem ser lançadas, avançadas e coordenadas em escala," disse Doctoroff. A empresa ganhou um RFP (Request for Proposal) para o projeto gerido pela Waterfront Toronto, um grupo público focado em revitalizar os arredores do lago Ontario.


Que tipos de tecnologias urbanas a Sidewalk espera desenvolver nesta beta-city?

A companhia diz que pretende testar novas tecnologias de construções arquitetônicas, novos tipos de sistemas de energia que tem uma pegada ecológica neutra ou positiva, assim como uma tecnologia de carro autônomo e outras opções de transporte que "são mais acessíveis, seguras e convenientes do que um carro próprio."

Eventualmente, espera-se que o desenvolvimento de Quayside seja escalado para um maior - 800 acres no total - espaço nas proximidades, para atingir o tamanho de zona sugerido anteriormente pela Alphabet. Mas antes, a companhia afirma que tem planos de passar o próximo ano fazendo divulgação e planejamento de comunidade para Quayside. Na programação? Insfraestrutura, trânsito, habitação, varejo e "estabelecer claras políticas de governança relacionadas a proteção de dados e privacidade."


A Google já se envolveu em problemas com privacidade com o governo canadense no passado. Em um documento sobre privacidade de dados na região, Alphabet e Sidewalk descreveram seus objetivos, incluindo sensores e conectividade onipresentes e APIs que permitem que desenvolvedores e residentes interajam com a camada digital do bairro. Essas características, segundo as empresas, serão desenvolvidas "em consulta próxima com a comunidade local, experts canadenses em privacidade e advogados."

Na verdade, Alphabet e Sidewalk dizem que planejam usar normas de design desenvolvidas por cientistas canadenses e holandeses nos anos 90, chamadas Privacy by Design. Tecnicamente, é uma estrutura para engenheiros e designers construirem qualquer produto. A ideia é que a privacidade deve ser o primeiro passo em qualquer processo - o padrão natural, não uma proteção que você constrói no seu produto depois de pronto. Apesar de a ideia ter sido criada há mais de duas décadas, PBD ganhou força recentemente devido ao aumento da preocupação sobre segurança e privacidade.


Muita coisa mudou sobre nosso mundo em três anos desde que a Sidewalk surgiu. "Inteligência" não tem mais aquele brilho utópico que já teve; questões sobre vigilância, privacidade, segurança e ética encaram cada uma das principais companhias de tecnologia que moldam nosso mundo, incluindo a Alphabet.

Quayside pode ser a chance de a Sidewalk colocar o desenvolvimento urbano "tecnocrático" que emergiu em 11 de setembro em Nova York, sob Michael Bloomberg e seu vice-prefeito, Dan Doctoroff, agora CEO da Sidewalk, para um teste mais completo - e provar que a parceria entre cidades e empresas de tecnologia podem produzir "design urbano centrado nas pessoas", assim como a companhia coloca. Sem dúvida, a Alphabet - uma empresa que vale meio trilhão de dólares - é capaz de construir um bairro. Em breve devemos ver como essa vizinhança prioriza pessoas ao invés de dados.

(Traduzido e adaptado de CO.DESIGN) | Imagens: Sidewalk Toronto

#laboratóriodeinovação #inovação #inovaçãotecnológica #inovaçãoemgoverno #designthinking #designdeserviços